É preciso estar habilitado o uso de Javascript em seu navagedor para que o site funcione de forma correta.
Notícias
Notícia
Câmara realiza entrega da Medalha Mérito em Educação ao professor Ricardo Rossato
Na manhã desta quinta-feira (9), a Câmara de Vereadores realizou entrega da Medalha Mérito em Educação Professora Solange Kraetzig ao professor Ricardo Rossato. O vereador Adelar Vargas (vice-presidente) presidiu os trabalhos da manhã com a mesa composta por Paulo Airton Denardin, representando o prefeito de Santa Maria, Ane Forgiarini, representando a Secretaria de Educação, Dom Hélio Hubert, arcebispo da arquidiocese de Santa Maria, e Gilberto Antonio Orsolin, diretor da Faculdade Palotina (Fapas).

O vereador João Kaus fez a apresentação do homenageado: apaixonado pela educação, vive para a família, religião e educação. Graduado em estudos sociais, em filosofia e teologia, Rossato é especialista em teoria da educação, em demografia, em administração universitária e mestre e doutor em demografia. É docente há 48 anos e autor de 12 livros. Atualmente, é professor titular da Fapas, nos cursos de graduação e pós-graduação.'

Ricardo Rossato agradeceu a homenagem: num tempo de poucas gratuidades, poucos reconhecimentos é um gesto que muito me orgulha. Recebo essa comenda como uma homenagem a todos os professores. Citou o Papa Francisco dizendo que a política pode ser um instrumento de caridade e fez um apelo aos vereadores: trabalhem pela unificação do nosso país, não merecemos estar separados. E finalizou: que tenhamos energia para que, um dia, tenhamos um país justo, digno, com educação para todos.

A Medalha Mérito em Educação Professora Solange Kraetzig foi consolidada pela Lei Municipal n°6040/2016 e é destinada aos educadores santa-marienses, ou aqui radicados, que se destacam por suas ações em prol da educação no Município. A outorga é alusiva ao Dia do Professor, comemorado no dia 15 de outubro. 

Texto: Camila Porto Nascimento
Fotos: Mateus Azevedo


Confira a matéria e mais fotos no site:
https://www.camara-sm.rs.gov.br/camara/conteudo/publicacoes/Noticias/1/2018/6867#lista_texto_news


Confira o discurso proferido pelo professor:

Saúdo inicialmente o Mui digno Presidente da Câmara Municipal de Vereadores de Santa Maria, e na figura do mesmo saúdo os demais vereadores, destacando por ser nosso Colega o Vereador André Agne Domingues, e o Vereador João Kaus, com que pude partilhar bons momentos em sala de aula. Também saudo as colegas de magistério integrantes desta casa.

Saúdo, nosso arcebispo D.Hélio Adelar Rubert, o diretor da Fapas , Pe. Gilberto Antônio Orsolin. De modo especial saúdo o Pe.Enio José Rigo, pároco de nossa Catedral diocesana, e Pe.Bonini.Especial saudação ao Prof e colega Paulo Jorge Sarkis, ex-reitor da UFSM. Não poderia deixar de mencionar com pesar o Pe. Ângelo Londero, um dos fundadores da Fapas, ontem sepultado em Vale Vêneto. Quero incluir neste momento meu irmão Ildo Rossato e cunhada Marlene Rossato, vindos da nossa querida Fortaleza dos Valos, companheiro de todas as horas.

 Com muito carinho saúdo meus colegas professores da Fapas, demais professores,meus alunos aqui presentes, meus amigos que me honram com sua presença , meus familiares e demais presentes.

Também uma menção à nossa Santa Maria: adotamos como nossa terra natal e nossa cidade de coração. Aqui nasceram dois dos nossos filhos. Tuas alegrias nos fizeram sorrir muito, mas tuas dores e chagas ainda machucam nossa alma.

A esta Câmara de Vereadores um agradecimento imenso por este gesto gratuito. A palavra obrigado é insuficiente para dizer da minha gratidão. Procurarei fazer jus a esta comenda. Que Deus abençoe e ilumine sempre vosso trabalho, sobretudo em prol daqueles que mais necessitam de políticas públicas para aliviar seus problemas e necessidades. O Papa Francisco nos lembra de que a política pode se tornar a mais nobre arte de fazer caridade. Ousaria fazer um pedido: trabalhem pela unificação de nosso país.

Recebi com surpresa, mas com muita honra a comunicação da escolha para a Medalha do Mérito em Educação, ?Profa. Solange Kraetzig?, distinção atribuída por esta casa. Recebo esta comenda como uma homenagem a todos os professores, que doam suas vidas pela causa da educação.

Solange Kraetzig  foi professora do Ensino Médio,  do normal ? magistério de língua portuguesa e seus alunos contam que dava aula com muita paixão utilizando frequentemente a música como instrumento de aprendizagem cultivando sempre a esperança dignificando sobremaneira a tarefa de ser professor.

Ao aproximar-me dos 50 anos de magistério, praticamente todos eles no ensino superior, vi muitas mudanças em minha vida e atingi objetivos que sempre sonhara, mas que por vezes julgava impossível. Vimos 4 grandes reformas  de ensino em nosso país, desde a primeira LDBEN em 20 de dezembro de 61,passando pela 5692 de 71, a reforma universitária de 68 e por fim a mais recente de 1996. Como sociólogo, também vi um sociólogo chegar à presidência da república, mas cultivar as antigas mazelas da política nacional. Em nosso país pela primeira vez a classe média se tornou majoritária, mas é frequentemente atingida pelas crises sazonais.

Vimos nosso país e o mundo tornarem-se urbanos, assisti à revolução das comunicações, o avanço da informática e inumeráveis mudanças que transformaram o rosto do mundo com a  globalização tornar o mundo uma aldeia. Também vi dores e angústias de longe e de perto. Vi o desmoronamento do socialismo do leste europeu e a grave crise econômica do Ocidente. Vimos a emancipação política dos povos africanos, mas também as  dores de seus filhos que veem muitos dos seus sonhos morrerem no Mediterrâneo. Vimos o fim do apartheid...Vi quedas de ditadores, genocídios e guerras de conquista sem sentido...Vimos a educação se tornar obrigatória em todos os países do mundo, e a universidade chegar a praticamente todos eles. E vi que a educação é o melhor caminho para um mundo mais digno e mais justo.

Na minha trajetória procurei pautar minha vida em três pilares: Minha fé, minha família e a educação.  Falarei brevemente dos três, iniciando pela educação.

Da educação fiz minha tarefa profissional e uma causa de vida. Sempre acreditei numa educação pautada pela ética e defesa dos valores humanos. Nela percorri longos caminhos tendo  quatro diplomas de graduação e fui contemplado com a alegria de poder cursar um doutorado numa das mais prestigiosas universidades do mundo, a Sorbonne , em Paris tendo professores reconhecidos mundialmente na área. Pude conhecer Sartre,  Paul Ricoeur, Zigmunt Bauman, Pierre Bourdieu, Alfred Sauvy, meu orientador Pierre George,  dentre tantos outros. Os pós-doutorados, em Montréal e na UNESCO em Paris, ampliaram este horizonte.

Este trabalho me possibilitou a publicação de 12 livros e como avaliador do MEC contribui para a implantação de mais de 20 cursos superiores e de outras tantas faculdades. Pude participar como assessor do MEC, com Fernando Haddad da implantação dos diversos instrumentos de avaliação das IES e fui membro da comissão da criação da nossa UFFS. Também no setor administrativo ocupei todas as funções na UFSM, desde chefe de departamento, coordenador de curso, diretor de Centro, Pró-Reitor e Vice ? Reitor, e exerci a reitoria em diversas ocasiões quando das frequentes viagens do saudoso Prof. Gilberto Aquino Benetti. Tive a alegria de estar na mesa na entrega do título de Dr. Honoris Causa, ao maior educador do século XX, Paulo Freire. Na UFSM, tive alegria de ver a formatura de minha esposa e meus 4 filhos. Em nosso Estado também tive a satisfação  de contribuir como membro da implantação da UERGS e por breve tempo fui pró-reitor da mesma. Há 22 anos estou na FAPAS, participando desde seu projeto até os dias atuais.

Sempre vi a educação como uma forma de construir uma sociedade mais justa e contribuir para o pleno desenvolvimento humano, para que as pessoas tivessem sim uma profissão, mas também fossem cidadãos e dessem sentido e gosto a sua vida. A educação é um ótimo instrumento para nos tornar mais humanos e nos tornar mais gente, definindo nossa identidade e nosso lugar no mundo. Mas em nosso país ainda persiste o analfabetismo, a educação de baixa qualidade, o abandono do ensino especialmente no segundo grau, o baixo acesso ao ensino superior. Enfim temos problemas não resolvidos do século 19, do século 20 e do século XXI.

Somente uma palavra sobre o professor. Embora seja uma profissão de baixo prestígio e reconhecimento social constitui um caminho nobre em que interferimos e mudamos vidas para sempre, em que fazemos que alguém que não é , seja, e colocamos nas pessoas a marca indelével de nossa passagem. E como dizia Freud, nossos exemplos muitas vezes educam mais do que nosso conhecimento. Ser professor como dizia Fernando Pessoa é para quem não tem alma pequena e traz dentro do si um coração generoso, aberto para outro apesar das agruras da profissão.

Agora gostaria de falar de minhas duas famílias: a de fé e a de sangue. Primeiro minha família de fé.

Inicialmente agradecer a Deus, que foi muito generoso comigo e me deu mais do que merecia e muito mais do que eu ousava esperar. A Ele a gratidão de um coração reconhecido.Minha fé me deu razões profundas de viver e sustentou momentos fundamentais da vida dando sentido à jornada de cada dia com uma esperança renovada mesmo nos dias mais sombrios.Poderia dizer com Carlo Carreto: Igreja quanto me fazes sofrer, mas quanto eu te amo.Não saberia viver sem ti. Nela tive alguns dos momentos mais marcantes e encontrei respostas que o coração humano busca todos os dias e tive mais recentemente a alegria de nesta etapa mais avançada da vida ser ordenado diácono pelo nosso querido arcebispo Dom Hélio Adelar Rubert, antigo colega de curso. Ser diácono é uma imensa responsabilidade na terra do diácono João Pozzobom. Vi santos caminhando por este chão e pude participar de audiências com Paulo VI, um dos homens mais inteligentes do século XX, São Joao Paulo II e Bento XVI. Descobrimos que na simplicidade da vida estão valores fundamentais que são o sal da vida e a alegria da jornada.

Uma palavra sobre minha família de sangue e de coração. Num tempo de extremo racionalismo e em que somos dominados pelo consumo, descobrimos que há valores afetivos que são mais fortes e laços que não se rompem. Minha palavra de gratidão à Elenita, companheira de todas as horas, corajosa, entusiasta, com teu trabalho e visão sempre conduziste com lucidez nossa vida. Aos filhos, Cristiane, iluminaste nossos dias de pós-graduação e tua vinda na distante Paris, alegrou sobremaneira a última etapa do doutorado. Tua generosidade ficará para sempre gravada em nós e naqueles que tu sabes...

A Elisiane, hoje diplomata- cônsul na República de Barbados no Caribe e no ano que vem em Ottawa no Canadá, que sempre teve muito claro que gostaria de ajudar a construir uma diplomacia pautada pelo bem público e pela solidariedade entre os povos. A Caroline, professora da UFSM, que sempre animou nossas vidas e como doutora em Psicologia nos compreende melhor e nos ensina como enfrentar momentos diferentes e nunca perder a esperança dando-nos surpresas que não podíamos sequer imaginar. Ao Felipe, companheiro desde a primeira hora, acolhido  pelas manas com carinho sem par. Companheiro de memoráveis jornadas nas finais das Libertadores e mais próximos a nós todos os dias. Aos genros Leandro, Felipe, Deividi: nossa família se tornou maior e melhor com vocês. Aos netos Ana Laura, Lorenzo, Pedro, Gabriela e Bruno, que sabem que a presença de vocês pode sempre animar um coração cansado e dar um gosto especial na derradeira etapa da vida.

Aos colegas, vizinhos e amigos um agradecimento especial. Como diz a Bíblia quem tem um amigo tem um tesouro. E Milton Nascimento lembra que Amigo é coisa para se guardar Debaixo de sete chaves Dentro do coração, No lado esquerdo do peito.

A todos muito obrigado que tenhamos um tempo de paz e que a educação seja, para todos, sempre uma forma de realizar a vida, os sonhos e as necessárias utopias.

Destaque
 
(55) 3220 4575 | fapas@fapas.edu.br
 
 
Todos os direitos reservados - Melhor visualizado em 1024 x 768 @ IE 9+, Firefox 3+ ou Google Chrome