Pastoral Universitária FAPAS

A FAPAS, com o desejo de assumir a sua identidade de Faculdade católica, proporciona momentos de espiritualidade para seus acadêmicos, professores e funcionários através da Pastoral Universitária. Numa perspectiva de cultivo de valores cristãos, dentro de uma cultura universitária, a Pastoral da FAPAS busca suscitar iniciativas e projetos solidários construtores de uma sociedade mais justa, igualitária e humanizadora. Por fim realiza a missão de oferecer, fomentar e coordenar a presença da Igreja entre todos os que estão em atividade na FAPAS.

Como a Pastoral desenvolverá sua missão?

Ao ritmo do ano acadêmico e litúrgico, a Pastoral procurará estar presente em todas as atividades acadêmicas promovidas pela Faculdade. O homem de fé sabe que não basta somente o saber intelectual; a verdadeira sabedoria deve tocar todos os aspectos da vida, por isso, as atividades a serem desenvolvidas têm por princípio integrar toda a dimensão humana e espiritual das pessoas.

Objetivos da Pastoral

  • Oferecer apoio, orientação e formação humano-espiritual, que favoreçam o fortalecimento da fé e da adesão aos valores éticos e cristãos de modo que estes iluminem e inspirem o caminho de aprendizagem científico-cultural;
  • Oportunizar a todos os estudantes, professores e funcionários uma vivência plena de fraternidade, amor e de serviço cristão, proporcionando a todos um encontro pessoal com Cristo à luz da espiritualidade de São Vicente Pallotti.

Por que uma espiritualidade palotina?

O termo "palotino(a)" decorre de São Vicente Pallotti, que no seguimento de suas obras hoje se encontra a FAPAS. Este santo nasceu a 21 de abril de 1795 em Roma. Foi ordenado sacerdote a 16 de maio de 1818. Doutorou-se em Filosofia e Teologia a 15 de julho de 1818. Seu ideal era um movimento apostólico universal de todos os batizados na Igreja e, para tal empreendimento, por inspiração divina, fundou em 4 de abril de 1835 a União do Apostolado Católico (UAC), posteriormente da qual surgiu a Sociedade do Apostolado Católico (SAC), dos padres e irmãos palotinos. Pallotti morreu em Roma a 22 de janeiro de 1850. Foi proclamado Bem-aventurado por Pio XII a 22 de Janeiro de 1950 e canonizado durante o Concílio Vaticano II por João XXIII a 20 de janeiro de 1963.

O que Vicente Pallotti nos diz?

Em seu tempo, Vicente Pallotti figurava entre as personalidades mais conhecidas e mais populares de Roma. Era considerado como um santo e o chamavam de "Apóstolo de Roma". Apesar de múltiplas e insistentes ofertas sempre se negou a aceitar qualquer cargo ou título honorífico. Queria ser só sacerdote para o povo. Andou por caminhos novos e jamais percorridos por alguém. Dirigiu-se a grupos marginalizados e de nível social inferior; entregou-se ao serviço dos órfãos para incorporá-los na sociedade; preocupou-se das necessidades humanas dos soldados e da sua vida religiosa. Ocupou-se também da assistência e da pastoral dos emigrantes e estrangeiros. Desceu às prisões. Desenvolveu muitas iniciativas pastorais. Fundou centros de formação para jovens de ambos os sexos, superando a deficiente formação escolar da época num tempo de grande escassez espiritual e econômica.

Hoje precisamos de pessoas dispostas a dar continuidade à obra de São Vicente Pallotti, um homem do século XIX, mas com o espírito e a dinâmica interior de um tempo futuro.

O ideal de Pallotti: a participação de todos

Essa visão universal do apostolado concebida por Pallotti era desconhecida e obstaculizada no seu tempo. Apostolado era assunto de sacerdotes e religiosos, mas Vicente Pallotti queria que todos os batizados - sacerdotes, religiosos e leigos, homens e mulheres de todas as idades e condições sociais participassem da missão da Igreja. Compreendeu que se é forte somente em comunidade. Assim surgiu o plano de uma obra universal de apostolado para que todos os cristãos colaborassem na causa de Deus, esta obra passou a se chamar então União do Apostolado Católico (UAC), presente até nos dias de hoje.

Capela

A Pastoral Universitária da FAPAS conta com uma capela, um lugar propício à oração, momentos de paz e cultivo da espiritualidade.

Os interessados em aproveitar este ambiente para conversar com Deus e meditar sobre seus gestos e atitudes podem dirigirem-se ao primeiro andar do prédio central, em qualquer dia e horário de funcionamento da Instituição.

A capela está aberta, diariamente, para toda comunidade acadêmica e também para a comunidade externa.

Equipe

Jonas Gabriel Vilela Santos
E-mail: gabrielvilela.s@outlook.com

Hayan Deonir Flach
E-mail: hayanflach@hotmail.com

Geonice Zago Tonini Hauschildt
Professora dos cursos de Direito e Filosofia
E-mail: gabrielvilela.s@outlook.com

Serviços

Atendimento Pessoal

Orientação espiritual, confissão, visita às famílias, visita aos doentes e outros.

Aprofundamento da fé

Seminários, encontros de diálogo inter-religioso, colóquios, diálogos com todas as posições culturais, mesas redondas.

Vida sacramental (orientação e celebração)

Sacramento do Batismo, Primeira Comunhão, Sacramento do Crisma, Sacramento do Matrimônio, Confissão, Celebração da Eucaristia, Missas de formatura e outros.

Dias de funcionamento

Ordinariamente: Todas as quartas-feiras, das 20h às 22h na FAPAS.

Extraordinariamente: Sempre quando houver alguma necessidade de atendimento espiritual, visita ou realização de algum evento. (Para esta modalidade entrar em contato antecipadamente com qualquer membro da equipe da Pastoral Universitária).